REDE COMUNIDADES DE APRENDIZAGEM | PT

textos

com significado

NOTA: Texto indica uma concepção teórica, que deve permanecer em aberto.

 

Currículo da Subjetividade

   No desenvolvimento de projetos, acontecerá, não o consumo acéfalo de currículo, mas a produção de conhecimento, produção de currículo. A partir de sonhos, necessidades e desejos de cada ser humano, e integrando conteúdos, competências e capacidades de uma base curricular (nacional), visa-se estimular talentos e cultivar os dons de cada sujeito aprendente.

   Dado que um ser humano é único e irrepetível, no desenvolvimento do currículo da subjetividade é respeitada a especificidade do seu reportório linguístico e cultural, dos seus estilos de inteligência predominantes, do seu ritmo de aprendizagem. 

Currículo da Comunidade
   A partir de Sonhos, necessidades, problemas da população do território do contexto, promover a integração comunitária da escola e um desenvolvimento local sustentável. No desenvolvimento de um currículo de comunidade, o conhecimento produzido no decurso dos projetos é colocado em ação, gerando competências.

Currículo da Consciência Planetária (ou da Sustentabilidade)

   Eu existo porque o outro existe. A minha liberdade começa onde começa a liberdade do outro. O processo de autoconhecimento harmoniza-se com necessidades e problemas da sociedade contemporânea e do planeta. Tendo em consideração os dezassete objetivos de desenvolvimento sustentável e as quatro dimensões da sustentabilidade, serão desenvolvidas habilidades socioemocionais, assegurando, através do desenvolvimento de competências transversais, o pleno desenvolvimento pessoal e social do ser humano.

PACHECO, J. (2018). Um Compromisso Ético com a Educação. Lisboa, Edições Mahatma

 

CURRÍCULO, AS VÁRIAS DIMENSÕES

 

AUTONOMIA

Contributos para a definição do conceito de autonomia

   (...) Autonomia não é sinónimo de isolamento. Muito menos este conceito se define em referência a um seu oposto. Define-se na contraditória complementaridade com a dependência, no quadro de uma relação social aberta. A autonomia é um conceito com um vasto espectro semântico.
   Na escola é a capacidade de influenciar. Esta capacidade exerce-se na multiplicidade de situações possíveis no contexto dos processos de aprendizagem. (...) O que importa reter é que as práticas educativas condicionam o grau em que a autonomia se manifesta nos indivíduos. 

   (...) A aprendizagem acontece na intersubjetividade. Não está centrada no professor, nem no aluno, mas na relação. O sujeito (aluno, ou professor) não se movimenta entre dois polos. O sujeito é a convergência dos dois polos. (...) O modo como o sujeito interpela a situação e as características do contexto estabelecem o ponto de convergência. O indivíduo é uma mistura sempre provisória de autonomia e heteronomia.

   (...) Poderemos, então, redefinir a autonomia como o auto conhecimento pelo sujeito das suas inevitáveis dependências relativamente à multiciplidade e complexidade do mundo envolvente e do seu mundo interior.

PACHECO, J. (2018). Um Compromisso Ético com a Educação. Lisboa, Edições Mahatma

 

 

O QUE QUERES SABER?

Tudo começa com uma pergunta

   O que queres saber? Seguem-se invariavelmente outras questões, e assim se iniciam os projetos do currículo de subjetividade. Cada um tem o direito de ser aquilo que quer ser. A partir daquilo que ele(a) diga inicia-se a construção, em conjunto, de um roteiro de pesquisa, que inclua os objetivos programáticos do currículo nacional, nas várias disciplinas, de acordo com o desejo de conhecimento do tutorado. Aprendizagem significativa.

 

 

O QUE SÃO ESCOLAS?

Visão mais ampla

   Escolas são pessoas, não são edifícios, não são burocracias, escolas são pessoas, as pessoas são os seus valores, esses valores transmutados numa carta de princípios dão origem a projetos, projetos politico-pedagógicos, dentro dos projetos temos, se quisermos falar de escola, uma dimensão de currículo subjetivo, que é o de cada qual, e uma dimensão comunitária, que é uma grade curricular nacional, entre aspas, dialogando com necessidades, sonhos, enfim, dificuldades, problemas locais, saberes populares, e tudo mais.

 

 

NÚCLEOS DE PROJETO

 

Cooperação

   Tudo começa com um grupo de trabalho, uma equipa responsável pela criação de uma célula de uma comunidade de aprendizagem. É o primeiro passo do retomar de projetos de desenvolvimento pessoal e profissional e da concretização de projetos educativos. Acontece o encontro entre professores, pais de alunos, familiares, funcionários das escolas, voluntários...
   O grupo reunido deverá ter, pelo menos, três elementos e nele haver um professor. Também será necessário incluir na equipa de projeto representantes da direção da escola e pesquisadores e/ou professores universitários. 

PACHECO, J. (2018). Um Compromisso Ético com a Educação. Lisboa, Edições Mahatma

 

 

ROTEIROS DE ESTUDO

Apoio

   Os roteiros, elaborados pela equipa pedagógica, levam em conta todo o conteúdo curricular recomendado pelo ME que as crianças deverão aprender durante o seu percurso académico. São elaborados por temas, e visam apoiar os projetos de cada aluno.